O encanto estavá ausente

"E há tempos
O encanto está ausente
E há ferrugem nos sorrisos
Só o acaso estende os braços
A quem procura
Abrigo e proteção" - Há tempos - Legião Urbana


Sinto a saudade daquilo que deixe de lado.
Mesmo sendo uma opção e não uma obrigação.

Sinto o cheiro da lagrima que caia de emoção,
acordo e penso o que ficou foi a lembrança, a recordação, a escrita,
a reflexão,  o exercício, o aprendizado e as novas sensações.

Hoje mais maduro e menos impaciente com a minha condição,

imagino o que teria sido se tivesse mantido o compromisso,
a dedicação, o esforço, o desejo, o coração, a ilusão, a coragem,
a cisma em si mesmo e a fixação.

Não por algo fora ou longe, mas perto até mesmo dentro,

que fizesse parte, que construí-se, desconstruí-se e reconstruí-se,
tudo sem forma, formato, modelo pré-fabricado ou norma pré-estabelecida.

Vence a luta quem acredita que lutando se chega em algum lugar. Mas quem quer sair daqui?
O seu sonho não é o mesmo que o meu, a sua história não passou pela minha.


Tentei não pensar que o insensível sou eu, mas talvez as palavras que vem e engasgam,

ditam coisas que não quero dizer ou dizem coisas que não tem sentido algum.
E qual é o sentido das palavras se não confundir ou trair?
Deixar o que era claro escuro ou o que era escuro na luz.

Fez e desfez, recriou e abandonou, andou e parou, venceu e perdeu,

foi tudo só começo e fim, o meio não sei se teve. Pois também não sei se veio.
Fica difícil criar conta tanta coisa pra fazer e não pensar.

Reproduzir o reproduzido e reconduzir o resignificado ao estado de não significado.
"Meu coração é tão tosco e tão pobre

Não sabe ainda os caminhos do mundo " - Sete cidades - Legião Urbana





Nenhum comentário: